Áreas do tórax – Mediastino

O mediastino é a região de separação entre os pulmões e inclui a parte mediastinal da pleura parietal.

Entretanto, o termo é comumente aplicado à região entre os dois sacos pleurais delimitada anteriormente pelo esterno e posteriormente pela região torácica da coluna vertebral, e que estende verticalmente a partir da entrada do tórax até o músculo diafragma.

É coberto de cada lado pela parte mediastinal da pleura parietal e contém todas as vísceras e estruturas torácicas, exceto os pulmões.

Para propósitos descritivos, esta região é arbitrariamente dividida nos mediastinos superior e inferior que é subdividido em partes anterior, média e posterior.

O plano de divisão em mediastinos superior e inferior cruza a articulação manubrioesternal e a superfície inferior da quarta vértebra torácica.

Imagem: teachmeanatomy.com
Imagem: https://commons.wikimedia.org

O pericárdio e seu conteúdo (o coração e as raízes de seus grandes vasos) constituem o mediastino médio.

Algumas estruturas, como o esôfago, seguem verticalmente através do mediastino e, portanto, ocupam mais de um compartimento mediastinal.

GRAY: Henry. Anatomia. 40 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 2011.

MEDIASTINO SUPERIOR

Estende-se inferiormente da abertura superior do tórax até o plano horizontal, que inclui o ângulo do esterno anteriormente e atravessa aproximadamente a junção (disco IV) das vértebras T IV e T V posteriormente, em geral denominado plano transverso do tórax.

limites

O mediastino superior é limitado pelas seguintes estruturas torácicas:

 

Superior – Entrada torácica.

Inferior – Contínua com o mediastino inferior ao nível do ângulo esternal.

Anterior – Manúbrio do esterno.

Posterior – Corpos vertebrais de T1-T4.

Lateral – Pleura dos pulmões.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

conteúdo

O mediastino superior contém estruturas neurais, vasculares e respiratórias que passam das regiões adjacentes do pescoço e do abdome (via mediastino inferior).

 

Timo

O timo é a estrutura mais anterior dentro do mediastino superior.

Ele fica nivelado contra a superfície posterior do esterno e se estende para o mediastino anterior e pode frequentemente atingir o pescoço.

Traquéia

A traqueia se bifurca no brônquio primário posterior à a. aorta ascendente no nível do ângulo esternal.

 

Esôfago

O esôfago ascende em direção à faringe, que se une ao nível de C6.

 

Ducto torácico

No mediastino superior, o ducto torácico passa para a esquerda do esôfago em seu trajeto até a junção das veias jugular interna e subclávia esquerda.

 

Músculos

Os músculos esterno-hióideo e esternotireóideo originam-se da face posterior do manúbrio.

Eles fazem parte do grupo muscular infra-hióideo do pescoço.

O aspecto inferior do músculo longo do pescoço também se origina dentro do mediastino superior.

GRAY: Henry. Anatomia. 40 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 2011.

grandes vasos

Os grandes vasos sanguíneos sistêmicos do coração estão dentro do mediastino superior e seus ramos principais surgem antes de passar pela abertura torácica superior .

 

Arco da aorta

 

Os três principais ramos do arco aórtico surgem dentro do mediastino superior:

 

Artéria braquiocefálica – Suprindo o lado direito da cabeça e pescoço e o membro superior direito.

Artéria carótida comum esquerda – Para o lado esquerdo da cabeça e pescoço.

Artéria subclávia esquerda – Para o membro superior esquerdo.

 

Veia cava superior

 

Os seguintes afluentes da veia cava superior estão localizados dentro do mediastino superior:

 

Veias braquiocefálicas – Drena o sangue da parte superior do corpo.

Veia intercostal superior esquerda – Recolhe o sangue das 2ª e 3ª veias intercostais esquerdas. Ela drena para a veia braquiocefálica esquerda.

Veia intercostal suprema – Drena a veia do primeiro espaço intercostal diretamente para as veias braquiocefálicas.

Veia ázigo – Recebe o sangue das veias intercostais posteriores direitas. As veias intercostais esquerdas drenam primeiro para as hemiázimas e hemiázigo acessórias antes de se unirem à veia ázigo em torno de T7-T9.

nervos

No mediastino superior, o nervo vago tem dois caminhos distintos:

 

O nervo vago direito – Corre paralelo à traqueia e passa posteriormente à veia cava superior e ao brônquio primário direito.

O nervo vago esquerdo – Entra no mediastino superior entre as artérias carótida comum esquerda e subclávia esquerda.

Desce anteriormente ao arco aórtico, antes de viajar para o brônquio esquerdo.

 

O nervo laríngeo recorrente esquerdo surge do nervo vago esquerdo ao passar pelo arco aórtico.

Se curva sob o arco, à esquerda do ligamento arterioso, antes de continuar sua jornada até a laringe no sulco traqueal-esofágico.

 

Nervo frênico

A partir da superfície anterior do músculo escaleno anterior, os nervos frênicos (raízes C3, C4 e C5) entram no mediastino superior lateral aos grandes vasos. Eles então descem anteriormente para o mediastino médio, passando anteriormente para o hilo dos pulmões.

 

Outros nervos

 

Nervos cardíacos – Originam-se do gânglio cardíaco superior, médio e inferior e formam os plexos cardíacos superficiais e profundos no mediastino superior.

O plexo superficial fica entre o arco aórtico e a veia pulmonar direita.

O plexo profundo está na superfície da traquéia no ponto de bifurcação.

 

Tronco simpático – corre bilateralmente aos corpos vertebrais ao longo de toda a extensão da coluna vertebral.

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

MEDIASTINO inferior

Estende-se na região logo abaixo da divisão dos mediastinos, terminando no m. diafragma.

É ainda subdividido em mediastino anterior, mediastino médio e mediastino posterior.

MEDIASTINO anterior

O mediastino anterior não contém estruturas principais.

Ela acomoda tecido conjuntivo frouxo (incluindo os ligamentos do segmento médio-pericárdico, que prendem o pericárdio ao esterno), gordura, alguns vasos linfáticos, linfonodos e ramos dos vasos torácicos internos.

Em bebês e crianças, o timo se estende inferiormente ao mediastino anterior.

No entanto, o timo recua durante a puberdade e é principalmente substituído por tecido adiposo no adulto.

limites

O mediastino anterior é limitado pelas seguintes estruturas torácicas:

 

Laterais: Pleura mediastinal (parte da membrana pleural parietal).

Anterior: Corpo do esterno e dos músculos transverso do tórax.

Posterior: Pericárdio.

Superior: Contínuo com o mediastino superior no nível do ângulo esternal.

Inferior: M. diafragma.

MEDIASTINO médio

limites

O mediastino médio é limitado pelas seguintes estruturas torácicas:

 

Anterior: Margem anterior do pericárdio.

Posterior: Borda posterior do pericárdio.

Laterais: Pleura mediastinal dos pulmões.

Superior: Linha imaginária que se estende entre o ângulo esternal (o ângulo formado pela junção do corpo esternal e manúbrio) e as vértebras T4.

Inferior: Superfície superior do diafragma.

conteúdo

O mediastino médio é a maior subdivisão do mediastino inferior.

Contém vários órgãos importantes, vasos, nervos e estruturas linfáticas.

 

ÓRGÃOS

 

Contém o coração e sua bainha protetora, o pericárdio.

Também contém a bifurcação traqueal e os brônquios principais esquerdo e direito.

 

GRANDES VASOS

 

A. aorta ascendente – A primeira parte da aorta, que surge do orifício aórtico.

Move-se para cima, saindo do pericárdio fibroso e entrando no mediastino superior – onde então se torna o arco aórtico.

A a. aorta ascendente dá origem a dois ramos; as artérias coronárias esquerda e direita.

 

Tronco pulmonar – Dá origem às artérias pulmonares esquerda e direita.

O tronco em si é relativamente curto e largo, permitindo que um grande volume de sangue passe através dele.

 

Veia cava superior – Retorna o sangue desoxigenado da metade superior do corpo.

É formado pelas veias braquiocefálicas direita e esquerda.

 

NERVOS

 

O plexo cardíaco e os nervos frênicos estão localizados dentro do mediastino médio.

Plexo cardíaco – Uma rede de nervos localizados na base do coração, contendo fibras simpáticas e parassimpáticas.

Os nervos simpáticos são derivados dos segmentos T1-T4 da medula espinal, e a inervação parassimpática é suprida pelo nervo vago.

O plexo pode ser subdividido em componentes superficiais e profundos.

 

Nervos frênicos (esquerdo e direito) – Nervos mistos que fornecem inervação motora ao diafragma.

Eles surgem no pescoço e descem pelo mediastino médio para alcançar o m. diafragma.

 

LINFÁTICOS

 

Os linfonodos traqueobrônquicos estão localizados no mediastino médio.

Eles são um grupo de nós associados à traquéia e brônquios do trato respiratório, e são caracteristicamente aumentados em certas patologias pulmonares.

Eles se formam a partir da união de nós brônquicos dentro do hilo dos pulmões.

Grupos individuais de nós são conectados através de canais linfáticos finos.

MEDIASTINO posterior

limites

O mediastino posterior é limitado pelas seguintes estruturas torácicas:

Anterior: Pericárdio.

Posterior: Vértebras T5-T12.

Laterais: Pleura mediastinal (parte da membrana da pleural parietal).

Superior: Linha imaginária que se estende entre o ângulo esternal (o ângulo formado pela junção entre o corpo esternal e o manúbrio) e a vértebra T4.

Inferior: M. diafragma.

conteúdo

O mediastino posterior contém vários órgãos principais, vasos sangüíneos e nervos.

 

ARTÉRIA AORTA

 

A aorta torácica (descendente) é uma continuação do arco da aorta, começando na borda inferior da vértebra T4.

Ela desce através do mediastino posterior para a esquerda das vértebras, ficando mais medialmente localizado conforme se move.

Na borda inferior do T12, a aorta torácica se torna a aorta abdominal e passa pelo hiato aórtico do m. diafragma.

Um certo número de ramos surgem da aorta torácica no mediastino posterior.

Estes tendem a surgir em três planos vasculares; os ramos não pareados às vísceras se estendem anteriormente, os ramos pareados às vísceras se estendem lateralmente e os ramos parietais segmentares pareados se estendem principalmente póstero-lateralmente.

 

Os principais ramos são:

 

Artérias intercostais posteriores – Ramos parietais pareados.

Nove desses pares se ramificam a partir do aspecto posterior da a. aorta, suprindo os espaços intercostais (exceto os dois primeiros).

Passam posteriormente e lateralmente, em paralelo com as costelas.

 

Artérias brônquicas – Ramos viscerais emparelhados, geralmente um ou dois.

As artérias brônquicas esquerdas sempre surgem diretamente da aorta torácica, enquanto as da direita geralmente se ramificam indiretamente da artéria intercostal posterior direita.

Eles passam a fornecer à árvore traqueobrônquica.

 

Artérias esofágicas – Ramos viscerais não pareados, decorrentes da face anterior da a. aorta.

Na maioria dos indivíduos existem dois, mas pode haver até cinco.

Como o nome sugere, esses ramos passam a fornecer ao esôfago.

 

Artérias frênicas superiores – Surgem do aspecto anterior da aorta torácica no hiato aórtico, variando em número.

Eles fornecem o aspecto superior do m. diafragma.

 

ESÔFAGO

 

O esôfago é um tubo muscular que conecta a faringe ao estômago; permitindo que alimentos ingeridos passem para o sistema digestivo.

Passa para o mediastino posterior através do mediastino superior, descendo posteriormente para o arco da aorta e do coração.

Enquanto inicialmente posicionado à direita, o esôfago se desvia para a esquerda à medida que se move para baixo.

Deixa o mediastino através do hiato esofágico do m. diafragma.

O plexo esofágico é uma rede de nervos que envolve o esôfago à medida que desce, compreendendo ramos dos nervos vago direito e esquerdo.

Imediatamente acima do m. diafragma, as fibras do plexo convergem para formar o tronco vagal anterior e o tronco vagal posterior, que percorrem a superfície do esôfago à medida que saem do tórax.

 

DUCTO TORÁCICO

 

O ducto torácico é o maior vaso linfático do corpo, permitindo o retorno da linfa da maior parte do corpo (exceto o quadrante superior direito) para o sistema venoso.

O ducto origina-se da cisterna do quilo no abdome e entra no mediastino através do hiato aórtico.

Ele sobe para se posicionar diretamente anterior às vértebras T6-T12, antes de desviar para a esquerda, à medida que sobe para o mediastino superior.

Enquanto localizado no mediastino posterior, o ducto torácico recebe drenagem linfática dos espaços intercostais e estruturas anatômicas vizinhas através de vários ramos.

 

SISTEMA ÁZIGO

 

Essa rede venosa drena o sangue das paredes do corpo e das vísceras mediastinais e desemboca na veia cava superior.

 

Consiste em três veias principais:

 

Veia ázigo – Formada pela união da veia lombar direita e da veia subcostal direita.

Ela entra no mediastino através do hiato aórtico e drena para a veia cava superior.

Veia Hemiázigo – Formada pela união da veia lombar esquerda e da veia subcostal esquerda.

Ela entra no mediastino através do pilar esquerdo do m. diafragma, ascendendo do lado esquerdo.

Ao nível de T8, vira à direita e combina com a veia ázigo.

Veia hemiázigo acessória – Formada pela união da quarta à oitava veias intercostais.

Ela drena para a veia ázigo no nível de T7.

 

TRONCO SIMPÁTICO

 

Os troncos simpáticos são pares de nervos que se estendem desde a base do crânio até o cóccix.

Na região torácica, esses feixes nervosos são conhecidos como troncos simpáticos torácicos.

Ao descerem pelo tórax, eles se encontram dentro do mediastino posterior.

Surgindo desses troncos estão os nervos esplênicos torácicos inferiores, eles continuam inferiormente para a suprir as vísceras do abdome.

Referências Bibliográficas

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

GRAY: Henry. Anatomia. 40 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 2011.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Gostou do nosso conteúdo? Ajude-nos, compartilhando em suas redes sociais!