S.N.C. – Cérebro – telencéfalo – Núcleos da base

O termo núcleos da base (anteriormente gânglios da base) é utilizado para denotar um número de massas nucleares subcorticais que se encontram na
parte basilar (inferior) dos hemisférios cerebrais, em íntima relação com a cápsula interna.

A definição tradicional de núcleos da base incluía o corpo estriado, o claustro e o corpo amigdalóide.

O termo agora tem sido restrito ao corpo estriado e a suas estruturas associadas no diencéfalo e no mesencéfalo; coletivamente, eles formam um complexo
funcional envolvido no controle dos movimentos e de aspectos motivacionais de comportamento.

São corpos de neurônios, bem delimitados e com funções específicas, localizados no interior do centro medular branco do cérebro.

 

São compostos por:

 

• Núcleo caudado;

 

• Núcleo lentiforme (dividido em duas porções o globo pálido e o putâmen);

Os núcleos caudado e lentiforme formam o corpo estriado (relacionado com o planejamento motor, apresentando conexões com o mesencéfalo e o diencéfalo).

Funcionalmente, o corpo estriado é dividido em: estriado (formado pelo núcleo caudado e putâmen), e o pálido (constituído pelo globo pálido).

A maior parte das fibras parte do estriado para o pálido. Deste último, partem fibras eferentes do corpo estriado.

 

Claustro – Sua função ainda é desconhecida;

 

Corpo amigdalóide – Está mais intimamente relacionado ao lobo límbico;

 

Núcleo basal (“Meynert”) – Junto com o sistema estriato-palidal ventral, a amígdala cerebelosa estendida e a região septal constituem as vias eferentes das atividades cerebrais originadas no grande lobo límbico, por isso é tão importante no contexto neuropsiquiátrico.

Funcionalmente, se relaciona com mecanismos de vigília e de atenção.

É uma das áreas mais danificadas pelo Mal de Alzheimer, pelo Mal de Parkinson e pela demência com corpos de Lewy;

 

Núcleo acumbens – É uma parte da via de recompensa, gerando prazer, impulsividade e comportamento maternal.

 

Núcleo caudado

Em forma de arco, se relaciona com o ventrículo lateral.

Sua porção anterior é dilatada constituindo a cabeça do núcleo caudado (relaciona-se lateralmente com o ventrículo lateral).

Posteriormente, o núcleo caudado se continua, mais estreito, com o corpo (localizado próximo ao assoalho do ventrículo lateral), terminando em uma porção bastante afilada, denominada de cauda (localizada próxima ao corno temporal do ventrículo lateral).

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

Núcleo lentiforme

Formado medialmente pelo globo pálido e, lateralmente pelo putame.

O globo pálido é separado do núcleo caudado e tálamo pela cápsula interna.

Claustro

(do latim claustrum – barreira): é uma fina lâmina de substância cinzenta, localizada entre as cápsulas externa e extrema.

Corpo amigdalóide

Localiza-se próximo à cauda do núcleo caudado, no lobo temporal.

Tem amplas conexões com o sistema límbico, relacionando-se com o comportamento sexual e agressividade.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.
SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Núcleo basal

Formado por neurônios colinérgicos, localiza-se anteriormente ao globo pálido.

Conecta-se ao sistema límbico e ao córtex cerebral, apresentando funções correlacionadas com a memória.

Imagem: PsicoActiva.com

Núcleo acumbens

Localizado entre a cabeça do núcleo caudado e o putame.

É uma parte da via de recompensa, gerando prazer, impulsividade e comportamento maternal.

 

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Referências Bibliográficas

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Gostou do nosso conteúdo? Ajude-nos, compartilhando em suas redes sociais!