Antebraço

O antebraço é formado por dois ossos longos situados lado a lado, sendo o rádio lateral e a ulna medial.
Estão unidos pela membrana interóssea, estendida entre eles. 
Ambos se articulam com o úmero, supe­riormente, embora a ulna seja preponderante na formação da articulação do cotovelo.
Entretanto, distalmente, somente o rádio participa da articulação com os ossos do carpo (articulação rádio-cárpica ou radiocarpal, dita “do punho”).
O rádio articula-se com a ulna e essa articulação permite os movimentos de supinação e pronação, nos quais a cabeça do rádio gira contra a face lateral da extremidade proximal da ulna e o corpo do rádio cruza o da ulna.
A pos­sibilidade de pronação e supinação confere maior destreza e força à mão.

Rádio

A extremidade proximal do rádio está constituída por um disco espesso, a cabeça do rádio, cuja face superior é côncava para articular-se com o capítulo do úmero e cuja circunferência gira na  incisura radial da  ulna na pronação e supinação. 
Observe que a circunferência da cabeça do rádio é mais estreita inferior do que superiormente, o que confere estabilidade à articulação.
Abaixo da cabeça do rádio, apresenta-se uma porção estreitada, o colo do rádio, e abaixo deste, no lado medial, observa-se a presença de uma projeção denominada tuberosidade do rádio, destinada à fixação de músculo.
O rádio apresenta nítida convexidade lateral que lhe facilita cruzar a ulna na pronação.
A borda lateral, como foi dito, é convexa, e a borda medial, cortante, serve à fixação da membrana interóssea, sendo por isto de­nominada borda interóssea.
A face anterior situa-se entre a borda interóssea e a borda anterior, sendo ligeiramente côncava, enquanto que a face lateral fica entre a borda anterior e a lateral.
A extremidade distal do rádio é uma expansão de todas as faces do seu corpo que terminam circundando uma área articu­lar côncava, inferior, destinada a articular-se com ossos do carpo.
O processo estilóide do rádio é fa­cilmente identificado na face lateral da extremidade distal, enquanto na face medial nota-se a presença da incisura ulnar que recebe a cabeça da ulna.
Anatomia de superfície — A ulna pode ser palpada, posteriormente, em toda a sua exten­são e seu processo estilóide faz relevo na superfí­cie ao nível do punho, posteriormente.
Durante a pronação e supinação, a cabeça do rádio pode ser sentida pela palpação, distalmente ao epicôndilo la­teral.
O processo estilóide do rádio é palpável ao nível do punho, lateralmente.
Repare que ele se situa distalmente ao relevo produzido pelo processo esti­lóide da ulna.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Ulna

A extremidade proximal da ulna assemelha-se a uma “chave inglesa”, como mostra a figura na página anterior.
Seus acidentes podem ser melhor identificados examinando-se o osso pela sua face lateral.
Identifique, então, o olécrano e veja como ele é con­tínuo com o processo coronóide que se projeta para frente.
Estes dois acidentes formam a incisura troclear que se amolda à tróclea do úmero.
Observe num esqueleto articulado que, na flexão do ante­braço, o vértice agudo do processo coronóide aloja-se na fossa coronoidea do úmero.
Enquanto que na extensão do antebraço, o olécrano aloja-se na fossa do olécrano.
Identifique, inferiormente ao processo coronóide, a tuberosidade da ulna, destinada à fixa­ção muscular, e, lateralmente ao processo coronói­de, a incisura radial, na qual gira a cabeça do rádio na pronação e supinação.
Fonte: NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011
Examine o corpo da ulna. Identifique a borda interóssea, cor­tante, lateral, onde se prende a membrana interóssea e a borda anterior, arredondada.
Entre estas duas bordas situa-se a face anterior.
Na vista posterior da ulna: localize a borda posterior, aguda crista que se inicia no olécrano e percorre a diáfise do osso.
Medialmente à borda posterior situa-se a face medial e, entre a borda posterior e a interóssea, ambas agudas, encontra-se a face poste­rior.

veja a nomenclatura completa em nossa vídeo-aula

inscreva-se em nosso canal

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

teste seus conhecimentos no nosso jogo de pontos!

Referências Bibliográficas

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
Gostou do nosso conteúdo? Ajude-nos, compartilhando em suas redes sociais!

Deixe uma resposta