Braço

úmero

Trata-se de um osso longo, que se articula superiormente com a cavidade glenóide da escápula, e inferiormente com os ossos do antebraço, rádio e ulna.
Na extremidade proximal do úmero identificamos com facilidade a cabeça do úmero, superfície lisa e arredondada que se articula com a cavidade glenóide da escápula.
Note que a cabeça do úmero está “separada” do restante da extremidade proximal através de um sulco anular: o colo anatômico.
Lateralmente ao colo anatômico e em vista anterior, duas projeções podem ser identificadas: o tubérculo maior e o tubérculo menor do úmero. 
Este último é ântero-medial.
Essas duas massas ósseas, destinadas à fixação dos músculos, estão separadas pelo sulco intertubecular que se prolonga em direção à diáfise do úmero.
A região do colo cirúrgico frequentemente é acometida por fraturas.
Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
NETTER: Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed
Logo abaixo do colo cirúrgico, o corpo do úmero se torna cilindróide, achatando-se no sentido antero-posterior à medida que se aproxima da extremidade distal.
Veja como o sulco intertubercular se prolonga, da extremidade proximal do úmero, onde se inicia, para o corpo, estando aí delimitado pelas cristas do tubérculo maior e do tubérculo menor.
Já a extremidade distal do úmero, curva-se anteriormente.
Existem duas expansões nodulares, o epicôndilo lateral e epicôndilo medial, destinados à fixação de músculos e ligamentos.
Note entre os epicôndilos lateral e medial, o relevo de superfícies articulares: o capítulo, lateral, que se articula com o rádio, e a tróclea, medial, em forma de polia ou carretel, que se articula com a ulna.

veja a nomenclatura completa em nossa vídeo-aula

inscreva-se em nosso canal

Duas fossas são visíveis na face anterior da extremidade distal do úmero: a fossa radial, superior ao capítulo, e a fossa coronóidea, superior à tróclea.
Essas fossas recebem partes dos ossos do antebraço nos movimentos de articulação do cotovelo (cúbito).
Em vista posterior, uma terceira fossa pode ser observada, situada superiormente à tróclea: a fossa do olécrano.
NETTER: Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed
NETTER: Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed

teste seus conhecimentos no nosso jogo de pontos!

Referências Bibliográficas

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
Gostou do nosso conteúdo? Ajude-nos, compartilhando em suas redes sociais!

Deixe uma resposta