O suprimento arterial para o membro superior começa no tórax como a artéria subclávia
A artéria subclávia direita surge do tronco braquiocefálico, enquanto que a a. subclávia esquerda se ramifica diretamente do arco da a. aorta.
Quando as artérias subclávias cruzam a borda lateral da 1ª costela, elas entram na axila e são chamadas de artérias axilares.
Ao nível do colo cirúrgico do úmero se dividem em artérias circunflexas posteriores e anteriores.
Se torna artéria braquial no nível do músculo redondo maior.
Imagem: https://commons.wikimedia.org
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

axila

A artéria axilar passa pela axila, logo abaixo do músculo peitoral menor, envolto na bainha axilar.
Ao nível do colo cirúrgico do úmero se dividem em artérias circunflexas posteriores e anteriores.
Elas circulam posteriormente em torno do úmero para suprir a região do ombro.
O maior ramo da artéria axilar, a artéria subescapular surge nesta região.
A artéria axilar se torna artéria braquial no nível do músculo redondo maior.
Para fins descritivos, a artéria axilar é dividida em três partes pelo músculo peitoral menor (o número da parte também indica o número de seus ramos):
A primeira parte da artéria axilar está situada entre a margem lateral da primeira costela  e a margem medial do músculo peitoral menor.
É envolvida pela bainha axilar e tem um ramo: a artéria torácica superior.
A segunda parte da artéria axilar situa-se posteriormente ao músculo peitoral menor e tem dois ramos: as artérias toracoacromial e torácica lateral que seguem medial e lateralmente ao músculo, respectivamente.
A terceira parte da artéria axilar estende-se da margem lateral do músculo peitoral menor até a margem inferior do músculo redondo maior e tem três ramos: a artéria subescapular é o maior ramo da artéria axilar. Diante da origem dessa artéria, têm origem as artérias circunflexa anterior do úmero e circunflexa posterior do úmero, às vezes por meio de um tronco comum.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

braço

A artéria braquial é a principal fonte de sangue para o braço.
Imediatamente inferior ao m. redondo maior, a artéria braquial dá origem à a. braquial profunda.
Viaja ao longo da superfície posterior do úmero, correndo no sulco radial.
Fornece suprimento para a região posterior do braço (por exemplo, tríceps braquial) e termina por contribuir para uma rede de vasos na articulação do cotovelo.
A artéria braquial desce pelo braço imediatamente posterior ao nervo mediano.
Ao cruzar a fossa cubital, sob o músculo braquial, a artéria braquial termina por se bifurcar nas artérias radial e ulnar.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

antebraço

Na região distal da fossa cubital, a artéria braquial bifurca-se na artéria radial e na artéria ulnar. 
A artéria radial fornece suprimento para a região posterior do antebraço.
Está situada na face anterior do rádio e é coberta apenas por pele e fáscia, tornando esse o local ideal para verificação do pulso radial.
Ramos da artéria ulnar originados no antebraço participam das anastomoses periarticulares do cotovelo e irrigam os músculos da região medial e central (anterior) do antebraço,
As duas artérias se anastomosam na mão, formando dois arcos: o arco palmar superficial e o arco palmar profundo.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

mãos

A mão tem um suprimento sanguíneo muito bom, com muitas artérias anastomosadas, permitindo que a mão seja perfundida ao segurar ou aplicar pressão. 
Boa parte dessas artérias é superficial, permitindo a perda de calor quando necessário. 
Na mão, as artérias ulnar e radial se interconectam para formar dois arcos, dos quais emergem ramos para os dígitos.
A artéria radial = contribui principalmente para suprir o polegar e a lateral do dedo indicador.
A artéria ulnar = contribui principalmente para o suprimento dos demais dígitos e do parte medial do dedo indicador.
A artéria ulnar se move para a mão anteriormente ao retináculo dos flexores e lateralmente ao nervo ulnar. 
Na mão, divide-se em dois ramos, o arco palmar superficial e o ramo palmar profundo.
A partir do arco palmar superficial, surgem as artérias digitais palmares comuns, fornecendo suprimento para as digitais. 
O arco palmar superficial então se anastomosa com um ramo da artéria radial. 
O arco palmar superficial é encontrado anteriormente aos tendões flexores da mão, profundamente à aponeurose palmar.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
A artéria radial entra na mão dorsalmente, situando-se no assoalho da tabaqueira anatômica.
Ele gira medialmente e se move entre as cabeças do m. adutor do polegar.
A artéria radial então se anastomosa com o ramo palmar profundo da artéria ulnar, formando o arco palmar profundo, que dá origem a cinco artérias suprindo as digitais.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Referências Bibliográficas

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
Gostou do nosso conteúdo? Ajude-nos, compartilhando em suas redes sociais!