Destaques da página

A coluna vertebral forma o esqueleto do dorso e uma das principais partes do esqueleto axial.
Compõe-se de 33 ossos denominados vértebras que se articulam entre si por meio de duas articulações distintas. 
Esta coluna vertebral forma uma sustentação forte, mas flexível para o corpo.
As articulações entre as vértebras, ao longo de quase toda a coluna vertebral, formam pequenos espaços laterais denominados de forames intervertebrais, local este onde localizam-se os gânglios sensitivos dos nervos espinais.
O “empilhamento” destas vértebras faz com que a união dos forames vertebrais forme o canal vertebral (spinal canal na figura), túnel ósseo que abriga a medula espinal, órgão do sistema nervoso central que dá origem aos nervos.
Portanto, podemos dizer que a coluna vertebral, além de dar sustentação e movimento ao tronco, também protege a medula espinal, os gânglios sensitivos e as raízes dos nervos espinais.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011
A coluna vertebral é formada por 5 partes ou regiões: 
Cervical, torácica, lombar, sacral e coccígea.
Tendo suas quantidades diferenciadas para crianças (33) e adultos (26), como mostra a figura abaixo:
MOORE, Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
As abreviações C, T, L, S e Co são usadas para indicar as regiões da coluna vertebral.
 
Exemplos:
 
 

CervicaisC1, C2, C3, C4, C5, C6 e C7;

Torácicas: T1, T2, T3, T4, T5, T6, T7, T8, T9,T10, T11 e T12;

Lombares: L1, L2,L3, L4 e L5;

Sacrais: S1, S2, S3, S4 e S5;

Coccìgeas: Co1, Co2, Co3 e Co4.

CURVATURAS DA COLUNA VERTEBRAL

Na coluna vertebral articulada e em várias imagens usadas clinicamente, por exemplo, IRM, quatro curvaturas são normalmente visíveis no adulto.
As curvaturas torácica e sacrococcígea são côncavas anteriormente e chamadas de cifoses, enquanto que as curvaturas cervical e lombar são côncavas posteriormente e chamadas de lordoses.
A torácica e a sacrococcígea são chamadas de curvaturas primárias pois se mantém desde o período fetal, já as curvaturas cervical e lombar são secundárias, aparecem e se consolidam somente após o nascimento.

veja a nomenclatura completa em nossa vídeo-aula

inscreva-se em nosso canal

MOORE, Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

acidentes ósseos

Todas as vértebras, de todas as regiões (exceto a Atlas) possuem as seguintes estruturas:
Corpo da vértebra;
Pedículo;
Forame vertebral;
Lâmina;
Processo transverso;
Processo espinhoso;
Facetas articulares superiores e inferiores;
Processos articulares superiores e inferiores.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011

Cervicais

É a parte da coluna vertebral que ocupa a região do pescoço e se estende até a região do tórax.
Esta região é composta por 7 vértebras, sendo a primeira o atlas, a segunda o áxis e as demais C3 a C7 (esta última chamada também de proeminente).
As vértebras cervicais tem como características:
Faces articulares superiores e inferiores orientadas transversalmente (permitindo uma maior amplitude em movimentos de rotação);
Forames transversários;
Processo espinhoso bífido;
Corpo vertebral pequeno.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011

Atlas

É a primeira vértebra cervical e recebe esse nome por sustentar, assim como o titã da mitologia grega, o globo da cabeça.
Sua característica mais marcante é não possuir corpo vertebral.
Funciona como um apoio ao crânio, é a vértebra responsável por ser articular com o Áxis e permitir os amplos movimentos que possuímos entre a cabeça e a coluna vertebral.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011

áxis

É a segunda vértebra cervical e tem esse nome por formar um eixo de rotação para a cabeça (crânio), através do Atlas, ao redor do seu dente.
Sua característica mais marcante é o seu dente, que a distingue facilmente das demais vértebras.
Graças a esse tipo de articulação podemos fazer o movimento de rotação da cabeça. Também conhecido vulgarmente como movimento de “não”, quando dizemos “não” com a rotação da cabeça.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011
SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Sétima vértebra cervical - C7

É bem parecida com as demais, porém possui um processo espinhoso longo e bem proeminente, sendo esta sua característica especial. Por isso recebe o nome de vértebra proeminente.
Note na mesma figura que a 4º vértebra cervical apresenta um processo espinhoso bífido, bifurcado
Na maioria das pessoas esse é o padrão mais encontrado.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011

teste seus conhecimentos no nosso jogo de pontos!

Torácicas

Composta por 12 vértebras (T1 até T12), forma junto com as costelas a parede posterior de todo o tórax.
São características das vértebras torácicas:
Fóveas costais no corpo e no processo transverso;
Processos articulares orientados ântero e posteriormente.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011

teste seus conhecimentos no nosso jogo de pontos!

Lombares

As maiores vértebras individuais são as 5 lombares.
Estas são as mais fortes na coluna vertebral, na medida em que a carga do peso corporal aumenta em direção à extremidade inferior da coluna.
Por isso, os discos cartilaginosos entre as vértebras lombares inferiores são locais comuns de
lesões e processos patológicos.
Suas características são:
Corpo da vértebra grande (por sustentar grande quantidade de peso);
Processos costiformes e mamilares;
Faces articulares orientadas sagitalmente (movimento de flexão e extensão do tronco).

veja a nomenclatura completa em nossa vídeo-aula

inscreva-se em nosso canal

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011

teste seus conhecimentos no nosso jogo de pontos!

Sacrais

Esta região é formada de 5 vértebras que se fundiram e formaram um único osso em um adulto.
O sacro tem o formato de uma pá, com o ápice apontado inferiormente e anteriormente.
Quatro conjuntos de forames sacrais pélvicos (anteriores) (similares aos forames intervertebrais em seções mais superiores da coluna) transmitem nervos e vasos sanguíneos.
 
Suas características são:

 

Forames sacrais;
Base;
Asas maior e menor;
Promontório;
Processos articulares superiores;
Canal sacral;
Crista sacral mediana;
Corno sacral;
Hiato sacral;
Ápice sacral.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011

Coccígeas

Da mesma forma que o Sacro, a região coccígea é formada por 4 vértebras fundidas para formar o osso cóccix.
Esta porção da coluna vertebral é muito regredida em seres humanos, tendo pouca semelhança com o restante das vértebras.
Suas características são:
 
Processos transversos;
Corno coccígeo;
Base;
Ápice.
SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
BONTRAGER: Kenneth L.; John P. Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

teste seus conhecimentos no nosso jogo de pontos!

Referências Bibliográficas

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5.ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
Gostou do nosso conteúdo? Ajude-nos, compartilhando em suas redes sociais!