Os nervos do plexo lombar chegam ao membro inferior anteriormente à articulação do quadril e suprem, especialmente, a parede anterior da coxa. 

Já, os nervos do plexo sacral seguem posteriormente ao quadril e inervam a parte posterior da coxa, a maior parte da perna e todo o pé.

O plexo lombar forma nervos que se dirigem para a parte inferior do tronco e para os membros inferiores. 

Os nervos espinais lombares se dividem em ramos posterior e anterior após cruzarem os respectivos forames intervertebrais. 

Os ramos posteriores inervam os músculos do dorso e pele sobrejacente enquanto os ramos anteriores projetam-se inferolateralmente para inervar a pele e músculos da região inferior do tronco e dos membros inferiores

Os ramos anteriores de L1-L4 formam o plexo nervoso lombar, localizado anteriormente aos processos costiformes / transversos das vértebras lombares e profundamente ao músculo psoas maior. 

Os ramos anteriores de L2, L3 e L4 dividem-se em partes anterior e posterior. 

O plexo lombar apresenta uma organização mais simples em comparação ao plexo braquial e geralmente origina o tronco lombossacral e seis nervos:

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 7 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2018.

Os nervos do plexo lombar chegam ao membro inferior anteriormente à articulação do quadril e suprem, especialmente, a parede anterior da coxa. 

Enquanto os nervos do plexo sacral seguem posteriormente ao quadril e inervam a parte posterior da coxa, a maior parte da perna e todo o pé.

Os nervos do plexo lombar são:

1 – Nervo ílio-hipogástrico (L1; às vezes T12): 

Inervação motora: oblíquo interno e transverso do abdome (partes inferiores de cada).

Inervação sensitiva: pele da região glútea póstero-lateral e região púbica.

 

2 – Nervo ílio-hipogástrico (L1):

Inervação motora: oblíquo interno e transverso do abdome (partes inferiores de cada).

Inervação sensitiva: pele da parte medial superior da coxa;

Pele na base do pênis e região ant. do escroto; ou pele do monte do púbis e lábios maiores (r. anterior).

 

3 – Nervo genitofemoral (L1-L2)

Inervação motora: m. cremaster (r. genital).

Inervação sensitiva: O ramo femoral supre a pele sobre o trígono femoral lateral; o ramo genital supre o escroto anterior ou os lábios maiores do pudendo.

 

4 – Nervo cutâneo femoral lateral (L2-L3):  

Inervação motora: não tem.

Inervação sensitiva: pele das partes ant. e lat. da coxa até o joelho.

 

5 – Nervo femoral (L2-L4): este nervo passa pelo trígono femoral.

Inervação motora: mm. iliopsoas; pectíneo; sartório e quadríceps femoral.

Inervação sensitiva: Rr. cutâneos ant. = pele da face ant. da coxa;

N. safeno = superfície medial da perna até o maléolo medial (este nervo passa pelo canal adutor / de Hunter).

 

6 – Nervo obturatório (L2-L4): este nervo atravessa o forame obturado. 

Inervação motora: mm. adutores longo, curto e magno; obturador externo, pectíneo e grácil. 

Inervação sensitiva: pele da face distal e medial da coxa.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 7 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2018.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 7 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2018.
PROMETHEUS: SCHUNKE, Michael. Prometheus, Anatomia geral e sistema locomotor. 4 ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2019.

Referências Bibliográficas

DRAKE, Richard L.; VOGL, A. Wayne; MITCHEL, Adam W. M.: Gray’s anatomia clínica para estudantes. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

HALL, John Edward; GUYTON, Arthur C. Guyton & Hall tratado de fisiologia médica. 13 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

KANDEL, E.R.; SCHWARTZ, J.H.; JESSELL, T.M. Princípios da Neurociência. São Paulo: Manole, 2003.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 7 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2018.

NOBESCHI: L.  Anatomia do Sistema Nervoso. 1 ed. São Paulo, 2010.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

PROMETHEUS: SCHUNKE, Michael. Prometheus, Anatomia geral e sistema locomotor. 4 ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2019.

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Rolar para cima