COLUNA LOMBAR - AP

Paciente

Paciente em decúbito dorsal / ortostático, PMS sobre a LCM/LCE, braços estendidos ao longo do corpo, quando em decúbito, MMII fletidos.

Chassis / Filme

30X40  panorâmico na longitudinal ou 24×30 na longitudinal panorâmico.

Raio central

⊥ orientado nas cristas ilíacas (para chassi 30×40) ou orientado 5 cm acima da crista (para chassi 24×30).

DFF

1,00 m – com bucky.

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Observação: Em apnéia expiratória. Este exame poderá ser realizado tanto em decúbito quanto em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 

COLUNA LOMBAR - PERFIL

Paciente

Em decúbito lateral / ortostático, PMS paralelo à LCE/LCM, posicionar de modo que a coluna lombar fique sobre a LCM, quando em decúbito fletir os MMII.

Chassis / Filme

30X40  panorâmico na longitudinal ou 24×30 na longitudinal panorâmico.

Raio central

⊥ orientado nas cristas ilíacas (para chassi 30×40) ou orientado 5 cm acima da crista (para chassi 24×30).

DFF

1,00 m – com bucky.

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Observação: Em apnéia expiratória. Este exame poderá ser realizado tanto em decúbito quanto em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 

COLUNA LOMBAR - OBLÍQUA DIREITA E ESQUERDA

Paciente

Em DD, PMS angulado a 45º com o plano da mesa, elevar o braço mais próximo da mesa e apoiar sob a cabeça, o mais distante elevado podendo o paciente segurar a extremidade da mesa. Os membros inferiores deverão estar formando um (4).

Chassis / Filme

30X40  panorâmico na longitudinal ou 24×30 na longitudinal panorâmico.

Raio central

⊥ na horizontal / vertical, orientado para o centro da coluna lombar.

DFF

1,00 m – com bucky.

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Observação: Em apnéia expiratória. Deve-se realizar duas oblíquas uma direita e outra esquerda, obedecendo os mesmos dados de posicionamento. Este exame poderá ser realizado em decúbito dorsal, ventral ou em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas as condições do paciente.     

COLUNA LOMBAR - PERFIL em EXTENSÃO MÁXIMA

Paciente

Em decúbito lateral / ortostático, PMS paralelo à LCE/LCM, posicionar de modo que a coluna lombar fique sobre esta linha, fazer a extensão ao máximo do paciente forçando ombros e quadris para trás, os membros superiores na cabeça ou para atras.

Chassis / Filme

30X40 longitudinal panorâmico

Raio central

⊥ orientado para o centro da coluna lombar.

DFF

1,00 m – com bucky.

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Observação: Em apnéia expiratória. Este exame poderá ser realizado tanto em decúbito quanto em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 

COLUNA LOMBAR - PERFIL em FLEXÃO MÁXIMA

Paciente

Em decúbito lateral / ortostático, PMS paralelo à LCE/LCM, posicionar de modo que a coluna lombar fique sobre esta linha e em posição fetal.

Chassis / Filme

30X40 longitudinal, em relação a estrutura, panorâmico

Raio central

⊥ orientado para o centro da coluna lombar.

DFF

1,00 m – com bucky.

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Observação: Em apnéia expiratória. Este exame poderá ser realizado tanto em decúbito quanto em ortostático, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente. 

COLUNA - ap / TRANSIÇÃO L5 - S1

Paciente

Em decúbito dorsal, PMS sobre a LCM, braços estendidos ao longo do corpo.

Chassis / Filme

18×24 na longitudinal ou 24X30  transversalmente, posicionado em relação ao R.C.

Raio central

Com um ângulo de 30º a 35° no sentido cranial, orientado ao nível das EIAS.

DFF

1,00 m – com bucky.

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Observação: Em apnéia expiratória. Este exame poderá ser realizado em decúbito dorsal ou ventral, o que vai determinar como realizar são as indicações clínicas e as condições do paciente.

COLUNA LOMBAR - perfil / TRANSIÇÂO L5 - S1

Paciente

Em decúbito lateral, PMS paralelo à LCM, posicionar de modo que a transição lombo sacra fique sobre a LCM, o membro superior mais próximo do filme sob a cabeça e outro poderá o paciente segurar a extremidade superior da mesa, pernas fletidas.

Chassis / Filme

18×24 na longitudinal ou 24X30 transversalmente, posicionado em relação ao R.C.

Raio central

⊥ na vertical, orientado para um ponto abaixo das cristas ilíacas que corresponda à transição lombo sacra.

DFF

1,00 m – com bucky.

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Observação: Em apnéia expiratória. Quando no paciente for observada diferença de espessura entre os ombros e quadril deve-se usar um suporte (material radiotransparente) nesta região a fim compensar tais diferenças. O RC poderá sofrer uma inclinação no sentido caudal a fim de melhor visualização dos espaços intervertebrais, variando de 5 a 10°. Incidência realizada com cilindro de extensão ou colimação adequada.Uma radiografia na posição ortostático poderá ser realizada a critério médico. 

Referências Bibliográficas

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

DRAKE, Richard L.; VOGL, A. Wayne; MITCHEL, Adam W. M.: Gray’s anatomia clínica para estudantes. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

MOELLER: Torsten B.; Reif E. Pocket Atlas of Sectional Anatomy Computed Tomography and Magnetic Resonance Imaging. 4ª ed. Stuttgart,: Thieme, 2007.
 

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

WEIR: Jamie W.; James A.; Atlas de anatomia humana em imagem. 5ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018.

Gostou do conteúdo? Ajude-nos compartilhando em suas redes sociais.