A drenagem venosa do encéfalo é realizada pelos sistemas venosos superficial e profundo

O sistema venoso superficial é formado por veias que drenam o córtex cerebral e a substância branca subjacente.

As veias estão localizadas na superfície do cérebro e drenam para o sistema venoso profundo. 

As veias superficiais são dividias em superiores e inferiores

 

As veias superficiais superiores drenam a face medial e metade superior da face súpero-lateral do telencéfalo, desembocando do seio transverso

 

As veias superficiais inferiores drenam a metade inferior da face súpero-lateral do telencéfalo. 

A principal veia superficial inferior é a veia cerebral superficial média

Essa veia percorre o sulco lateral, desembocando no seio cavernoso e constitui uma importante anastomose entre os sistemas venosos superficiais (superior e inferior) e o sistema venoso profundo.

A drenagem venosa profunda é realizada por veias que desembocam em canais venosos produzidos pelas pregas da dura-máter (seios venosos). 

A principal veia profunda é a veia cerebral magna (veia de “Galeno”). 

A veia cerebral magna se forma abaixo do esplênio do corpo caloso e, desemboca no seio reto

 

Os principais seios da dura-máter que drenam o encéfalo são:

Seio sagital superior, seio sagital inferior, seio reto, seio cavernoso, seio petroso superior, seio petroso inferior, seio transverso e seio sigmóideo.

 

Na região posterior do encéfalo, entre o lobo occipital e o cerebelo, ocorre a reunião dos seios: sagital superior, reto e transversos, formando a confluência dos seios.

 

 

Seio sagital superior: com direção ântero-posterior, percorre superiormente a foice do cérebro, desembocando na confluência dos seios.

 

Seio sagital inferior: com sentido ântero-pósterior, percorre a margem livre da foice do cérebro, desembocando no seio reto.

 

Seio reto: localiza-se entre a foice do cérebro e o tentório do cerebelo, desemboca na confluência dos seios.

 

Seio cavernoso: localiza-se ao lado da sela turca. Drena para os seios petrosos superior e inferior.

 

Seio petroso superior: está disposto ao longo do tentório do cerebelo, desembocando no seio sigmóideo.

 

Seio petroso inferior: percorre a base do crânio e desemboca na veia jugular interna.

 

Seio transveso: origina-se da confluência dos seios. 

Dirige-se anteriormente, contornando o tentório do cerebelo, ao alcançar a parte petrosa do osso temporal passa a ser denominado de seio sigmóideo.

 

Seio sigmóideo: em forma de S, conecta o seio transverso com a veia jugular interna.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 8 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 7 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2018.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 7 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2018.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 7 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2018.

Quer aprender anatomia de um modo simples e objetivo? Conheça nossos cursos:

Referências Bibliográficas

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

DRAKE, Richard L.; VOGL, A. Wayne; MITCHEL, Adam W. M.: Gray’s anatomia clínica para estudantes. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

HALL, John Edward; GUYTON, Arthur C. Guyton & Hall tratado de fisiologia médica. 13 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 7 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2018.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 8 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018.

SOBOTTA: Paulsen, Friedrich. Sobotta Atlas Prático de Anatomia Humana. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2019.

SCHUNKE, M. Prometheus – Atlas de Anatomia 3 Volumes. 4 ed. Guanabara Koogan, 2019.